CARICATURAS AO VIVO - ZEL HUMOR . O MELHOR DA CARICATURA EM SUA FESTA ...

CARICATURAS AO VIVO - ZEL HUMOR . O MELHOR DA CARICATURA EM SUA FESTA ...
CLIQUE NA IMAGEM É SAIBA MAIS ...

sábado, 28 de dezembro de 2013

Seminário Internacional discutirá políticas culturais


Fundação Casa de Rui Barbosa receberá, a partir de fevereiro de 2014, propostas para apresentação de trabalhos no V Seminário Internacional de Políticas Culturais

Entre os dias 7 a 9 de maio de 2014, o setor de pesquisa de Políticas Culturais da Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB), no Rio de Janeiro, irá realizar o V Seminário Internacional de Políticas Culturais. Estudantes de mestrado e doutorado, mestres, doutores, gestores e professores poderão inscrever seus trabalhos para serem apresentados no evento. As propostas devem ser enviadas, por e-mail, entre 10 de fevereiro e 10 de março de 2014.



sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

O Macaco Que Quis Ser Escritor Satírico - Reflexão

O Macaco Que Quis Ser Escritor Satírico


Augusto Monterroso


Na Selva vivia uma vez um Macaco que quis ser escritor satírico.
Estudou muito, mas logo se deu conta de que para ser escritor satírico lhe faltava conhecer as pessoas e se aplicou em visitar todo mundo e ir a todos os coquetéis e observá-las com o rabo do olho enquanto estavam distraídas com o copo na mão.

Como era verdadeiramente muito gracioso e as suas piruetas ágeis divertiam os outros animais, era bem recebido em toda parte e aperfeiçoou a arte de ser ainda mais bem recebido.
Não havia quem não se encantasse com sua conversa, e quando chegava era recebido com alegria tanto pelas Macacas como pelos esposos das Macacas e pelos outros habitantes da Selva, diante dos quais, por mais contrários que fossem a ele em política internacional, nacional ou municipal, se mostrava invariavelmente compreensivo; sempre, claro, com o intuito de investigar a fundo a natureza humana e poder retratá-la em suas sátiras.

E assim chegou o momento em que entre os animais ele era o mais profundo conhecedor da natureza humana, da qual não lhe escapava nada.
Então, um dia disse vou escrever contra os ladrões, e se fixou na Gralha, e começou a escrever com entusiasmo e gozava e ria e se encarapitava de prazer nas árvores pelas coisas que lhe ocorriam a respeito da Gralha; porém de repente refletiu que entre os animais de sociedade que o recebiam havia muitas Gralhas e especialmente uma, e que iam se ver retratadas na sua sátira, por mais delicada que a escrevesse, e desistiu de fazê-lo.
Depois quis escrever sobre os oportunistas, e pôs o olho na Serpente, a qual por diferentes meios — auxiliares na verdade de sua arte adulatória — conseguia sempre conservar, ou substituir, por melhores, os cargos que ocupava; mas várias Serpentes amigas suas, e especialmente uma, se sentiriam aludidas, e desistiu de fazê-lo.
Depois resolveu satirizar os trabalhadores compulsivos e se deteve na Abelha, que trabalhava estupidamente sem saber para que nem para quem; porém com medo de que suas amigas dessa espécie, e especialmente uma, se ofendessem, terminou comparando-a favoravelmente com a Cigarra, que egoísta não fazia mais do que cantar bancando a poeta, e desistiu de fazê-lo.
Finalmente elaborou uma lista completa das debilidades e defeitos humanos e não encontrou contra quem dirigir suas baterias, pois tudo estava nos amigos que sentavam à sua mesa e nele próprio.
Nesse momento renunciou a ser escritor satírico e começou a se inclinar pela Mística e pelo Amor e coisas assim; porém a partir daí, e já se sabe como são as pessoas, todos disseram que ele tinha ficado maluco e já não o recebiam tão bem nem com tanto prazer.


Augusto Monterroso nasceu em 1921, na Guatemala. Em 1944, mudou-se para o México e, depois de muito observar a fauna daquele país e de outros, se convenceu de que "os animais se parecem tanto com o homem que às vezes é impossível distingui-los deste". Assim surgiu "A ovelha negra e outras fábulas", lançado pela Editora Record - Rio de Janeiro, 1983, com tradução de Millôr Fernandes e ilustrações de Jaguar, de onde extraímos o texto acima (pág. 11).

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Finep doa obras de Portinari para o Museu Nacional de Belas Artes


A cerimônia oficial de entrega das obras está programada para acontecer no dia 13 de janeiro de 2014 e terá a presença da ministra da Cultura, Marta Suplicy.

Com um acervo composto por 212 obras do pintor Cândido Portinari (1903-1962), entre pinturas, gravuras e desenhos, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) doou as obras para  o Museu Nacional de Belas Artes (MNBA/Ibram), no Rio de Janeiro (RJ).
O Extrato de Termo de Doação de bens móveis do artista brasileiro foi publicado na sexta (20).no Diário Oficial na União (DOU).
Assinado por Glauco Antonio Truzzi Arbix, presidente da Finep, e Monica Xexéo, diretora do MNBA, no último dia 13, o museu deverá utilizar os bens em suas exposições e atividades culturais, conforme o instrumento contratual acordado entre as partes.
A cerimônia oficial de entrega das obras está programada para acontecer no dia 13 de janeiro de 2014 e terá a presença da ministra da Cultura, Marta Suplicy.
Estas obras foram agregadas ao patrimônio da empresa como parte do pagamento de empréstimo tomado para a constituição do Projeto Portinari, que consistia na digitalização da obra do artista e a compilação de Catálogo Raisonné.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

HUMOR - CHARGE E CARICATURA

CHARGE - TOPLESSÃO - RIO DE JANEIRO 
   
                          CARICATURA - MÁRCIO AUGUSTO - BANDA DR. LAW

Dicionário do Patrimônio Cultural recebe contribuições


Técnicos e especialistas do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan),  aposentados, alunos e ex-alunos do PEP, membros e ex-membros do Conselho Consultivo, ex-funcionários e reconhecidos colaboradores da instituição,  poderão enviar até 28 de fevereiro de 2014, trabalhos voltados à construção do Dicionário IPHAN de Patrimônio Cultural. A publicação está sendo elaborada com o objetivo de produzir uma obra de referência com os principais conceitos que reflitam as dimensões prática e teórica da preservação do patrimônio cultural.
Desenvolvido desde 2004, o Dicionário foi concebido para ser uma obra coletiva e visa estabelecer e socializar conceitos. Os interessados poderão enviar contribuições voltadas para a seção enciclopédica, formada por artigos temáticos; e/ou para a seção de verbetes, no endereço eletrônico  dicionario.patrimonio@iphan.gov.br. Confira  aqui as normas para envio de trabalhos.
A conclusão desta obra será de grande relevância para a consolidação do patrimônio cultural como um campo de conhecimento e essencial para o trabalho de todos aqueles que atuam na preservação da memória nacional.
Fonte:
Iphan

EXPO GRAFFITE 2013 - CABO FRIO - REGISTRO FOTOGRÁFICO