CARICATURAS AO VIVO - ZEL HUMOR . O MELHOR DA CARICATURA EM SUA FESTA ...

CARICATURAS AO VIVO - ZEL HUMOR . O MELHOR DA CARICATURA EM SUA FESTA ...
CLIQUE NA IMAGEM É SAIBA MAIS ...

domingo, 28 de agosto de 2011

TUMOR CULTURAL - por RODRIGO POETA

TUMOR CULTURAL DE RODRIGO POETA

*Tela de título "Tumor" de Zel Humor.

TUMOR CULTURAL

          Nota-se que no Séc. XXI a existência de um grande tumor cultural, que está fazendo a cultura se perder entre os sete pecados de Dante. Os pecados culturais do século XXI são:
as antologias, as academias, as igrejas, as editoras, os pseudos-artistas, a mídia e enfim o plágio.
         A antologia nasceu na Grécia Antiga pelas mãos do poeta Meleagro de Gadara. Um poeta que reuniu em uma antologia os versos dos grandes poetas de seu tempo. Hoje com advento da internet, as antologias ganharam força e novas editoras nasceram, mas trabalhando boa parte delas de maneira escusa e sem critério, ou seja, se tornando mercadoras de sonhos para pseudos-poetas.
        Qualquer um participa de uma antologia, sem ao menos saber o que significa o termo poesia. Basta escrever umas linhas e participar de certas antologias, onde o critério para participar é o dinheiro e não a qualidade literária, já se denomina poeta.
        Este é o primeiro vírus a atacar de forma maciça e a prejudicar o nascimento de verdadeiros talentos da poesia. O remédio para combater este mal é a Crítica Literária, que está em ostracismo total neste paradigma cultural.
        Vive-se um caos feito pelas igrejas que nasce a torto e direito no mundo contra a cultura de raiz, boa parte delas denominam o que é folclore de pecado ou coisa pior como manifestação do demônio. Este pecado já chegou, nas escolas, que deveriam ser laicas, mas seguem a cartilha mobral em fazer com que a cultura seja odiada ou levada ao preconceito total. É assim que manifestações culturais de etnias diferentes sofrem ao tentar desenvolver ou até dar continuidade à raiz cultural de nossa história.
        As editoras estão ligadas à mídia, dois pecados em um só. Editoras novas vivem da promiscuidade, sem critério, sem avaliação, sem revisão textual, mas com um só dever serem mercadoras de sonhos. Sonhos que são meramente ilusões, quando se percebe o que é real e o que é ficção.
       A moda agora é ser pseudo-artista, nasce com a velocidade da luz, pseudos-poetas, pseudos-artistas plásticos, pseudos-artistas de várias ramificações da cultura doente. Pseudos-artistas que encontraram uma brecha para estarem entre a mídia e artistas em fim de carreira, que foram esquecidos pelo abismo cultural mundial.
       Um abismo que mostra, para ser artista não precisa ser artista, basta ter conhecimento, dinheiro, que terá a mídia.
       Plagiar está na moda, um vírus que está mutante entre as artes no século atual. Uns chamam em copiar, outros em clonar, mas o que é de falto é plagiar. Os pseudos-artistas adoram conjugar este verbo, se Fernando Pessoa estive aqui não diria mais que o poeta é um fingidor, mas sim um plagiador de pseudos-versos de uma pseudo-poesia feita por um ser pseudo-poeta.
       O último vírus ou bactéria são as academias. Nascem do nada, possuem ideologias evasivas, vivem entre a dependência política e não seguem nenhum critério. Boa parte delas vendem sonhos como medalhas, falsos títulos de nobreza, pelerines e becas, tudo em favor ao glamour para satisfazer pseudos-artistas e muitos artistas de verdade que caem neste abismo, pensando que é a única forma de sobreviver na mídia.
      Charles Darwin diz: “Não é o mais forte, que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças.”
       Desta forma, deve-se ter dentro deste tumor cultural em que apresenta-se a cultura uma solução após o caos ou sonhar, pois existem ainda entidades sérias, poetas e artistas de verdade, que fazem da Cultura sua cachaça, sua vida de maneira simples ou complexa, mas no prazer de criar arte.
      Então não se assustem se comediantes políticos e políticos corruptos ganharem uma medalha da pioneira academia da Terra Brasílis.
      Fica o pensamento latino para reflexão: “Est modus in rebus” (Há um limite entre todas as coisas).



Rodrigo Octavio Pereira de Andrade (Rodrigo Poeta)
*Poeta.
*Professor de Língua Portuguesa, Literatura e Téc. de Redação.
*Palestrante.
*Ministra oficinas voltadas para Valores Humanos, Ética & Cidadania, Poesia, Literatura Regional e etc.
*Pesquisador sobre cultura local.
*Ativista cultural.
*Membro da Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo/RJ.
*Membro da Academia de Artes de Cabo Frio/RJ.
*Membro Correspondente da Academia de Artes, Ciências e Letras de Iguaba Grande/RJ.
*Cônsul pelos Poetas Del mundo em Cabo Frio/RJ (entidade do Chile).
*Conselheiro Islâmico de Assuntos Shiita do Centro Estudantil Árabe Iman Ali de São Paulo/SP.
*Conselheiro de Assuntos Sociais e Culturais Afro-Brasileiro pela FTABH de São Paulo/SP (Faculdade de Teologia Afro Brasileira e Holística Livre).
*Membro da Academia de Letras e Artes da Região dos Lagos/RJ.
*Membro Correspondente da Academia Barramendense de Letras de Barra do Mendes/BA.
*Membro Correspondente da Academia Itapirense de Letras de Itapira/SP.
*Membro Correspondente da Academia de Ciências, Letras e Artes de Minas Gerais – Sede Manhuaçu/MG.

Nenhum comentário:

Postar um comentário